Sempre em Lisboa, imprimiu até 1576 vinte e seis ou vinte e sete trabalhos, não tendo usado qualquer marca. São cerca de 10 anos de impressão em caracteres redondos e itálicos. É da sua responsabilidade obras tão importantes como Leis Extravagantes de Duarte Nunes de Leão em 1569, as Constituições Extravagantes do Arcebispado de Lisboa em 1569, o Repertorio dos Tempos em lingoage[m] portugues [...] em 1570, entre muitos outros.

Claro que ficará sempre ligado à primeira edição de Os Lusíadas, e as suas obras têm sido bastante estudadas do ponto de vista tipográfico pelas dúvidas suscitadas pela impressão de uma segunda edição, a famosa versão E, que no rosto indica ser de sua lavra. (2)

(1) ANSELMO, António Joaquim, Bibliografia das Obras Impressas em Portugal no Século XVI, Lisboa, Biblioteca Nacional, 1926, p. 194  seguintes

(2) sobre este assunto veja-se artigo do Prof. João Luís Lisboa, « Uma, duas, quantas edições? », Cultura [Online], Vol. 33 | 2014, posto online no dia 18 abril 2016, consultado a 04 março 2019. URL : http://journals.openedition.org/cultura/2378 ; DOI : 10.4000/cultura.2378

 

IMAGEM:

Exemplar da Biblioteca Nacional, digitalizado e disponível em: http://purl.pt/1/5/P3.html