Corria o ano de 2002 quando me aventurei na organização de leilões de livros, em associação com uma importante casa leiloeira da época. A Biblioteca pertencia a um colecionador de arte portuguesa e era composta por uma das mais extraordinárias colecções sobre o tema então existentes em mãos de particulares.

De entre os milhares de títulos que cataloguei, muitos ainda hoje são importantes fontes de estudo, mas um deles chamou a minha atenção pela curiosidade do tema e pela raridade. Tratava-se de um pequeno volume de apenas 46 páginas. De pequeno formato, sobressaia a gravurinha que o ilustrava, apresentando um homem num aparelho semelhante a uma asa delta. A legenda era elucidativa: «Rapresentação [sic] da máquina de voar, que mostra o homem que voa tanto pela parte de diante Letra A, como horizontalmente [sic] Letra B descoberta por G. F. Meérwein, Architecto do Marquez de Baador».

O engenho havia sido testado com relativo sucesso em 1781, dando notícia desse acontecimento a obra L’Art de Voler à la Manière des Oiseaux, publicada em 1785 por J. J. Thourneisen, segundo a qual Meérwein havia conseguido planar durante algum tempo, tendo acabado estatelado no chão, causando grande consternação ao Príncipe de Baden, de quem era arquitecto.

A edição portuguesa é de 1812 e é uma das primeiras obras em língua pátria a tratar deste assunto e em 2003, data do leilão, com o número de lote 758, foi vendido pela quantia de 660,00€.

A ficha completa:

MÉERWEIN (Carlos Federico [sic])

A ARTE DE VOAR À MANEIRA DOS PÁSSAROS. - Lisboa: Na Impressão Régia, 1812. - 46 pp., 2 grav.: il.; 165 mm.