A    –     Cabeça, parte superior de um livro.
B     –     Cabeceira, extremos da lombada.
C     –     Casa, espaço entre dois nervos da lombada.
D     –     Contra-guarda, material que cobre a face interior da pasta e a folha de guarda. Em alguns casos, a contra-guarda é também a folha de guarda.
E     –     Corte dianteiro, lado oposto à lombada.
F     –     Gravação, elementos gravados no material que cobre as pastas e lombada do livro.
G     –     Guarda ou folha de guarda, é a folha que se coloca antes das folhas ou da capa original do livro a encadernar.
H     –     Lombada, parte onde se encontram cosidos os cadernos do livro.
I/L     –     Nervo ou nervura, nas encadernações antigas, era o material onde se prendiam os fios da costura dos cadernos, atravessando a lombada e prendendo-se à encadernação. Modernamente os nervos são pequenos pedaços de cartão colocados sob o material que reveste a encadernação.
M     –     Pasta, interior dos planos. Vulgarmente a pasta é dado o mesmo sentido de plano.
N     –     Pé, parte inferior do livro.
O     –     Planos, lados da encadernação.
P     –     Rótulo, etiqueta colada na lombada, normalmente de cor diferente da encadernação, onde se inscrevem o nome do autor, título ou quaisquer outras indicações.
Q     –     Seixa, espaço ocupado pelo material da encadernação e que não é ocultado pela Guarda.
R     –     Talagarça, tecido de fios finos usado para consolidar o lombo dos livros depois de cosidos.
S     –     Tranchefila, reforço das extremidades do lombo, normalmente de uma tira de tecido.

Fonte: DIAS, João José Alves, Iniciação à Bibliofilia, Lisboa, Pró-Associação Portuguesa de Alfarrabistas, 1994, pp. 35-36