fbpx

Leilão Online

CASTRO (Julio de Melo de). HISTORIA Panegyrica da Vida de Dinis de Mello de Castro, Primeyro Conde das Galveas. Lisboa. 1744.

O leilão começará em __ dias e __ horas

Preço base: €20

Preço estimado: €20 - €30

Comissão da leiloeira: 17%

IVA: Sobre a comissão apenas

CASTRO (Julio de Melo de)
HISTORIA Panegyrica da Vida de Dinis de Mello de Castro, Primeyro Conde das Galveas. Lisboa: Na Officina de Antonio Duarte Pimenta, 1744.

4.º; a-e, A-Z, Aa-Zz, Aaa-Iii4; [40], 438 pp.; 205 mm. Encadernação inteira de pele da época; exemplar manchado e com falta do retrato do Conde das Galveias e do brasão de armas.

Segunda edição desta estimada biografia. Dinis de Melo de Castro, 1.º Conde das Galveias (1624-1709), logo com 16 anos se juntou às forças de D. João IV sob as ordens do Conde de Vimioso. Ferido 22 vezes em combate, tomou parte nas batalhas do Montijo, do forte de S. Miguel, das Linhas de Elvas, Ameixial e Montes Claros, subindo toda a escala das promoções de soldado até general-de-batalha. No combate pelo forte de S. Miguel foi ferido sete vezes, foi-lhe morto o cavalo e levado como prisioneiro na direcção de Badajoz, até que os seus soldados conseguiram resgatá-lo, já quase junto aos muros da cidade espanhola. Recuperado dos ferimentos e incorporado no exército do Conde de Cantanhede, teve ocasião de se cobrir de glória na batalha das Linhas de Elvas. Em 1662, foi governador do Alentejo por duas vezes. Quando foi substituído neste cargo pelo Conde de Vila Flor, voltou ao serviço de campanha como general de cavalaria. Quando Évora foi atacada e ocupada por D. João de Áustria, voltou novamente a dar provas da sua competência e bravura, especialmente na batalha do Ameixial. Em 1663, foi mais uma vez governador do Alentejo e em 1665 comandou a Cavalaria na batalha de Montes Claros. D. Pedro II, em reconhecimento dos seus méritos, nomeou-o conselheiro de Estado e da Guerra. Quando este soberano tomou partido na Guerra da Sucessão de Espanha, já o Conde estava em idade avançada, mas ainda assim, em 1705, como governador das Armas do Alentejo, invadiu Espanha e tomou Valência de Alcântara e Albuquerque. Era comendador de Santa Marta de Lordelo, de Santa Maria de Torredeita e outras.
A obra, escrita por seu sobrinho, é, por isso, importante para a história da Guerra da Restauração. Raro e estimado.