fbpx

Vida de dois Infantes do s. XV

O primeiro destaque deste leilão vai paa uma interessante e rara biografia de dois Infantes portugueses, o Infante D. Fernando, também conhecido como o Infante Santo, e a Infanta D. Joana, ambos com fama de santidade com título de Beatos atribuído pela Igreja Católica.

A obra começa com a biografia de D. Fernando. Oitavo filho de D. João I, o Infante D. Fernando vive na História de Portugal ligado às acções militares no Norte de África, em particular à falhada tomada de Tânger em 1437 que resultou na sua prisão sem nunca ter conseguido regressar a Portugal.

Nascido em Santarém a 29 de Setembro de 1402, as duas pricipais fontes para a sua biografia referem muito pouco àcerca da sua vida antes de 1433, mas é depois de 1437, quando acompanha o infante D. Henrique na expedição a Tânger, que ganha relevância histórica ao ser aprisionado após o falhanço da campanha portuguesa.

Mantido em cativeiro como moeda de troca para a entrega de Ceuta, a figura do Infante D. Fernando elevou-se, pela fé e pelo sentimento pátrio (cf. Joaquim Veríssimo Serrão, Dicionário de História de Portugal, v. 2, p. 554), ao título de Infante Santo.

Apesar da esperança que sempre manteve na sua libertação por via diplomática, tal nunca veio a suceder, tendo sido sacrificado pelos partidários da manutenção daquela cidade sob governo português.

Esta sua biografia, tal como as restantes fontes, pouco dizem sobre a sua vida anterior àquela ida a Tânger, ocupando os primeiros cinco capítulos, na sua maioria dedicados às virtudes do Infante. No capítulo sexto, refere-se a passagem a Mestre da Ordem de Avis e os seguintes à campanha de África, prisão e morte.

Tal como as outras fontes, atribui igualmente ao infante D. Fernando a vontade de se sacrificar para que os portugueses pudessem manter Ceuta. No entanto, segundo Joaquim Veríssimo Serrão, não é isso que demonstram alguns documentos enviados por D. Fernando (cf. ob.cit).

A partir do capítulo dezoito, começa a tratar-se da fama de santidade e de alguns milagres a si atribuídos. Foi beatificado pelo Papa Paulo II em 1470.

A partir do fólio 116vo, inicia-se a biografia da Infanta D. Joana. Filha de D. Afonso V e de sua primeira mulher, D. Isabel, a Infanta D. Joana teve uma educação aprimorada. Por morte de sua mãe ainda muito jovem, D. Afonso V entregou a educação da sua filha a sua tia, D. Filipa de Lencastre, uma das mulheres mais cultas daquele período em Portugal, tendo convido também com Cataldo Sículo e outros letrados.

Cedo manifestou vocação religiosa, tendo passado de Odivelas para Aveiro, onde passou grande parte da sua vida. Apesar das tentativas para a casar, movidas pelo interesse e importância óbvia em tal contrato para Portugal, D. Joana nunca casou, chegando a ter professado religião. O príncipe sentiu-se obrigado a se deslocar na companhia do bispo D. Garcia de Meneses, para que D. Joana se desligasse canonicamente dos votos de clausura.

Morreu no seu mosteiro, a 12 de Maio de 1490 e foi beatificada por breve de 4 de Abril de 1693.

 

É um documento interessante para a história de Portugal no s. XV, através da biografia de duas figuras importantes naquele período.

A obra é muito rara, ainda mais quando se apresenta completa e em bom estado de conservação.

Veja este: 

Biblioteca Particular | Sex., 09 de Junho | 21h

Deixe já as suas ordens de compra e não se esqueça de apontar na sua agenda as 21h00 da próxima sexta-feira, dia 9 de Junho

EXPOSIÇÃO
Dias 7 e 9 de Junho
Livraria A Nova Ecléctica, Calçada do Combro 50, 1200-115 Lisboa
das 11h00 às 13h00 e das 14h30 às 19h00